quinta-feira, 3 de maio de 2012

O melhor de Firenze - Galleria degli Uffizi

   

Depois da nossa visita a National Gallery em Londres, nós imaginamos que não acharíamos outro museu ou galeria que nos deixasse tão impressionados pela quantidade e importância das obras. Falta-nos ainda visitar o Museu Vaticano e Louvre nesta lista, mas na nossa viagem a Firenze tivemos a oportunidade de conhecer a maravilhosa Galleria degli Uffizi. Fundada em 1581 pelo Grão Duque Francesco I de Medici para acomodar a sede de várias magistraturas, esta Galleria realizada segundo o projeto de Giorgio Vasari tem forma de U e representa uma das obras primas da arquitetura renascentista. Entre 1842 e 1856 foram colocadas vinte oito estátuas de importantes, pintores, escultores, escritores da região da Toscana.


Passando pela grande porta da Galleria está a famosa Ponte Vecchio, um dos cartões postais de Firenze.



Como só ficamos um dia em Firenze, nosso medo era que não conseguíssemos ingressos, já que não tínhamos feito reserva. Aproveitamos a Settimana della Cultura na Itália, no qual a entrada nos museus estatais são gratuitas e rumamos a Firenze para encontrar Michelangelo, Rafael, Leonardo da Vinci, Giotto, Caravaggio, Tiziano, Botticeli, e tantos outros. Chegamos em Firenze as 8h45min e fomos diretamente a Galleria degli Uffizi. A fila grátis já estava grande, mas conseguimos uma boa localização. Restava apenas esperar até as 11h00 para que a Galleria fosse aberta para o ingresso gratuito da Settimana della Cultura. Finalmente depois de 2h 40 minutos na fila nós entramos. A Galleria é enorme, e começamos pelo segundo andar. 



Os corredores são apinhados de esculturas e pequenos quadros e o teto é cheio de afrescos. É difícil ver tudo tamanha a quantidade de obras que ficam nos corredores.  



No final do corredor do segundo andar você encontrará uma cópia de Laocoonte. Esta escultura vale algumas palavras a mais. Sabe-se que Plínio o velho (23 a 79 d.C), naturalista romano escreveu sobre a mais bela escultura realizada (Laocoonte) que se encontrava no palácio do Imperador Tito e que havia sido feita por três escultores da Ilha de Rodes: Atenodoro, Agesandro e Polidoro. Através do cruzamento da data de vida dos escultores, Laocoonte teria sido produzida entre 42 e 20 a. C. Após esta menção de Plínio,   Laocoonte ficou desaparecida por 1400 anos. Em 1506 Felice de Fredi estava fazendo manutenção de suas vinhas nas antigas Termas de Tito, quando descobriu em cinco pedaços uma escultura. A notícia chegou ao papa Julio II que mandou buscar Michelangelo para avaliar esse achado. Os dois vendo os vestígios da escultura reconheceram de imediato  Laocoonte descrito por Plínio. O original encontra-se no Musei Vaticani. O da Galleria degli Uffizi é uma cópia feita pelo escultor Baccio Bandinelli que seria dada ao rei Francisco I da França mas que foi parar nesta Galleria. Vale ressaltar que Laocoonte e seus dois filhos, Antiphantes e Thymbraeus, sendo estrangulados por duas serpentes marinhas é um episódio dos livros a Guerra de Tróia relatado na Ilíada de Homero e na Eneida de Virgílio. Sem mais palavras, vejam como esta escultura é linda.


Depois de passear pelos corredores, começamos a entrar nas salas das pinturas. Mas são tantas coisas para ver, tantos quadros belíssimos que não tem como falar de todos. Ao todo são 49 salas fora os corredores. Mas vamos lá as obras que mais nos impressionaram e que aguardávamos ansiosos para ver. Na sala 26 estão as pinturas de Rafael Sanzio e de seu contemporâneo Andrea del Sarto. Entre as obras de Rafael estão o seu "Autoritratto" (1505-1506). Detalhe, é proibido fotografar, mas..., diante de Rafael, eu (Silvana) não me contive e os meninos fizeram uma barreira para que eu pudesse fotografar seu "Autoritratto". Sorry Galleria degli Uffizi, mas "Es muss sein" e novamente "Es muss sein", pois em seguida eu não me contive e tirei outras fotos, sem flash claro.



O segundo quadro de Rafael é a "Madonna del Cardellino" (1506). Este quadro tem uma história interessante. Rafael o pintou quando tinha 23 anos como presente de casamento a Lorenzo Nasi, um rico comerciante de lã. Em 1547 a casa de Lorenzo desabou e a obra foi partida em 17 pedaços. Um artista contemporâneo de Rafael chamado Ridolfo di Ghirlandaio,   usou pregos para juntar os pedaços e tinta para ocultar as fraturas. Mais tarde este quadro se tornou parte da coleção da família Medici que fez várias intervenções visando cobrir as fissuras. Em 1998 um dos mais prestigiados laboratórios da Itália inicia as análises com raio x e outras tecnologias para dar início a restauração deste quadro. De acordo com Marco Ciatti, diretor do departamento de pinturas em Firenze do Opificio Delle Pietre Dure, "o resultado da restauração é espantoso. Séculos de filme marrom e sujeira sumiram. O rosto de Madonna são cor de rosa. Suas vestes são vermelhas e azuis profundas e quase se consegue ouvir o cascatear de um riacho na paisagem toscana ao fundo". Em 2008 este quadro voltou para o acervo da Galleria depois de 10 anos de intenso trabalho. Vejam abaixo a situação da pintura antes e depois da restauração. 


Ainda no segundo andar, mais especificamente na sala 15 encontramos algumas pinturas de Leonardo da Vinci.  Atrás de um grosso vidro que lhe protege e que de alguma forma lhe ofusca devido ao reflexo, está "L’annunciazione" (1472 - 1475) de Leonardo da Vinci. Nós demoramos mais nesta pintura, não somente porque era um Leonardo, mas porque de fato ela é linda, cheia de detalhes e significados. Sei que a nossa foto não faz jus, mas depois vejam esta pintura no google e apreciem as cores e detalhes da roupa de Maria e as asas o Anjo Gabriel.


Na mesma sala há outro quadro pintando por Leonardo da Vinci, Botticelli e pelo mestre destes Verrocchio. Chama-se "Battesimo di Cristo" (1472-1475). Coube a Leonardo retocar parte do corpo de Cristo e a paisagem, e pintar o anjo ajoelhado que segura as vestimentas.


Por fim o terceiro quadro de Leonardo da Vinci é "Adorazione dei Magi"(1481-1482), uma pintura inacabada encomendada pelos monges de São Donato de Scorpeto. 


Na sala 25 encontramos "Sacra Famiglia (Tondo Doni)" (1505-1506) de Michelangelo. É um dos poucos quadros deste pintor já que este produziu mais esculturas e afrescos. Foi encomenda pelo mercador florentino Agnolo Doni, para seu casamento com Madalena Strozzi. Retrata a Sagrada Família e foi adquirida pelos Medici indo primeiramente para o Palazzo Pitti e depois para Galleria degli Uffizi. Este é o terceiro quadro que vemos de Michelangelo, e o primeiro totalmente finalizado já que os outros que vimos na National Gallery são obras belas, mas inacabadas deste pintor. Neste quadro nos pudemos ver a maestria de Michelangelo. Observem o azul e o rosa e as dobras do tecido de  Maria.


Nós já estávamos felizes demais com a oportunidade de termos visto tantas pinturas maravilhosas, mais eis que chegamos nas salas de Botticelli, isso mesmo salas, porque são cinco com 20 quadros de emocionar. Alguns deles são enormes, coisa que não imaginávamos, como o "Nascita di Venere" (1483 - 1485)



 "Primavera" (1477 - 1478)


No quadro "Adorazione dei Magi" (1475) no canto direito de roupa amarela está o próprio Botticelli olhando para nós.



No primeiro andar da Galleria estão as pinturas de Caravaggio. Estamos perseguindo ele por todos os cantos!  São três pinturas belíssimas. 

 "Bacco"( 1596-1597) 
"Sacrificio di Isacco (1601 - 1602)"

O terceiro é o famoso "Testa di Medusa" (1596-1597). Na verdade é um escudo de madeira de 60 cm x 55 cm. Foi encomendado pelo Cardeal Del Monte para Medici Ferdinando I. Envolta num vidro que a protege esta pintura chama atenção de longe. A testa tensa da medusa e seus dentes foram muito bem executados por Caravaggio. 


Para finalizar este post a pintura de  Artemisia Gentileschi, intitulada "Giuditta decapita Oloferne" (1620). Ela fica na mesma sala de Caravaggio. Somente quando fomos escrever este post é que descobrimos quem é Artemisia Gentileschi. Ela nasceu em Roma e é uma das únicas mulheres a serem mencionadas na escola barroca de pintura. Dedicou-se principalmente a temas trágicos com personagens femininas.  Se tornou a primeira mulher a entrar na Academia de Arte de Florença e é considerada dentre os seguidores de Caravaggio a mais talentosa. Nós ficamos felizes de terminar este post com uma obra de uma mulher. Deixo um link para outras obras de Artemisia Gentileschi.


Como nosso post representa apenas uma ínfima parte da Galleria degli Uffizi, acessem seu site e vejam as obras que estão em cada sala.
Até o próximo post.


Maiores informações:
Endereço: Piazzale degli Uffizi, 50122 Firenze
Horário: De terça a domingo das 8h15 as 18h50
Audioguia: Custo de 5,50 por unidade, e 8,00 euros por duas unidades. Em italiano, frânces, espanhol, alemão, japonês. 
Biblioteca: Terças e quintas das 9h00 as 13h30 e quintas e sextas das 9h00 as 13h00.
Email: direzione.uffizi@polomuseale.firenze.it
Valor: bilhete inteiro 6,50, reduzido 3,25, custos da reserva 4,00 euros. 

Um comentário:

  1. Finally had a brief biography dedicated to a web-page: http://artistmarcbreed.blogspot.com/

    ResponderExcluir